Mitos e Realidades: Parabenos - Vamos lá ser umas senhoras informadas!

Olá meninas.
Decidi criar uma espécie de "rubrica" no blog. Terá o nome de Mitos e Realidades, e o objectivo é mesmo esse: desmistificar algumas crenças e reforçar aquelas que são reais e, de facto, fazem sentido e porquê. Gosto de me informar e, através do blog, de vos tornar umas leitoras informadas :)

No post de ontem, sobre a base da AVON, uma menina fez-me uma questão, à qual eu não soube responder, mas que fiz questão de procurar resposta. Não tendo encontrado nada que me esclarecesse a mim e a ela, decidi direccionar a pesquisar noutro sentido. 

A pergunta foi se a base tinha parabenos.
Não sei se a base contém ou não parabenos, e a pesquisa que fiz não me deu resposta, no entanto, achei que seria melhor perceber, então, se os parabenos são assim tão maus.

Encontrei várias opiniões opostas, e seleccionei esta, cuja fonte é credível e contém a opinião de um técnico da área: Um farmacêutico, Dr. Gustavo Boaventura

Aqui fiz o post, e respectivo link

"Qual o problema dos parabenos? Por que são tão mal falados? Apresento neste post uma breve abordagem sobre os polêmicos parabenos, os conservantes mais comuns e amplamente utilizados em produtos HPC e alimentos.


Quimicamente, os parabenos são ésteres do ácido p-hidroxibenzóico, apresentado na figura ao lado, na qual o grupo R representa os diferentes grupos alquil associados à sua esrutura. Os mais comuns atualmente são metil, etil, propil e butilparabeno, sendo que o metil é mais hidrofílico e o butil o mais lipossolúvel – propriedade que os torna fáceis e convenientes de se usar.


Usualmente utilizamos mais de um parabeno em uma formulação, para que haja o maior espectro e a melhor solubilidade em quaisquer fases do produto, o que explica o amplo uso essa classe de conservantes. No entanto, eles também podem ser utilizados em associação com outros conservantes quando se deseja maior espectro de ação antimicrobiana.


Consumidores e mercado pedem formulações livres de parabenos (paraben-free). Nesse ponto surge um grande problema: as formulações que antes eram bem preservadas com parabenos, agora necessitam de outros conservantes – às vezes mais de dois – para prevenir a proliferação microbiana, a contaminação e proteger o consumidor de infecções ou reações por causa de produtos contaminados. Eles podem ainda proteger a integridade e estabilidade de um produto cosmético, uma vez que os microrganismos podem alterar tais propriedades.
Para entender a história, voltaremos ao ano de 1984, quando a CIR (Cosmetic Ingredient Review Board) determinou que o metilparabeno, o propilparabeno e o butilparabeno eram seguros para uso em produtos HPC de acordo com as boas práticas de fabricação e a um percentual de até 25%, mas usualmente utiliza-se de 0,01 a 0,35% dependendo do país onde o produto será comercilizado.
Em novembro de 2003 a segurança do uso dos parabenos foi posta em cheque. Até que em 2005, após a avaliação dos limites de exposição e uso, foi determinado que não havia riscos à saúde de mulheres ou crianças associados aos parabenos. A CIR, então, decidiu que não era necessário alterar a regulamentação desses conservantes.
No entanto, em 2004, um estudo independente relatou que foram detectados traços de parabenos em tumores de mama e levantou as propriedades, mesmo que fracas, similares aos estrogênios exercidas pelos derivados do ácido p-hidroxibenzóico, bem como a conhecida influência dos estrogênios no câncer de mama. O que os autores se esqueceram de avaliar foi a presença de parabenos nos tecidos normais. Além disso, o FDA demonstrou, baseado em um outro estudo independente, que essas substâncias apresentam atividade semelhando a hormônios significativamente inferior, especialmente nas baixíssimas concentrações utilizadas nos produtos HPC.
Infelizmente, a divulgação desses estudos foi o suficiente para que a história caísse no senso comum da população e do mercado e os parabenos foram taxados como sendo perigosos para a saúde. O mesmo que ocorreu com a lanolina e o óleo mineral em tempos anteriores. Hoje o que se observa é que qualquer um escreve algumas linhas sem qualquer embasamento técnico-científico, divulga na internet dizendo que não se deve utilizar produtos que contenham parabenos e citam inúmeros dos quais eles são parte. O que é, no mínimo, injusto e impróprio, pois assim nós, formuladores, temos que retirar os melhores conservantes de nossos produtos e manter o cosmético nosso de cada dia com o mesmo preço e com a mesma eficácia conservante.
Opinião do autor: assim como outros tantos profissionais da área – inclusive com muito mais prestígio que eu, não admito o apelo de cosméticos livres de conservantes. Não assumo esse risco aos meus clientes. Pois se a água contamina se não for conservada, o que dirá um produto 60 a 80% composto de água e acrescido de lipídeos, carboidratos e, algumas vezes, proteínas e aminoácidos... Temos o meio de cultura ideal para a sobrevivência e proliferação de microrganismos.Atualmente o FDA determinou que não há qualquer risco ou ameaça à saúde oferecido pelos parabenos. E ele será o primeiro órgão a voltar atrás caso apareça qualquer controvérsia.Para finalizar, espero que esse post não fique muito desconexo, pois estou trabalhando na tradução de um grande conteúdo técnico – em breve disponibilizados neste blog, o qual tem me tomado bastante do meu pouco tempo livre. E acredito que qualquer dúvida eventual será sanada no próximo post, uma revisão sobre os conservantes e alternativas aos parabenos em produtos cosméticos."


Fontes:
MORANTE, N. The problem with parabens. Acesso em 21/02/2008.
Por isso, como podem ver, além dos verdadeiros factos acerca dos Parabenos, temos a opinião de um profissional, que nos diz que não tomaria a responsabilidade de comercializar produtos sem conservantes (é essa a função dos parabenos), principalmente, produtos de maquilhagem que contêm tanta água que é um meio excelente para desenvolvimento de microorganismos.

Espero que a informação vos tenha sido útil :)
Para mim foi de certeza!

Um beijinho.

Comentários

  1. Olá...

    Muito útil, sem dúvida.

    Obrigada pelo esclarecimento ;D

    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Ola adorei seu blog! seguindo aqui já, e com certeza vão de grande utilidade; Beeijo
    segue la: http://paulabernardino.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. agora já não vai haver stresses contra esses amigos, sim porque maquilhagem fora do prazo não!
    beijocas *

    ResponderEliminar
  4. Bom post! Muito útil! É sempre bom desmistificar certas coisas que se dizem por aí sem conhecimento..
    ***

    ResponderEliminar
  5. Olá!

    Muito obrigada pelo esclarecimento :)

    ResponderEliminar
  6. Muito bom esclarecimento, realmente sempre me questionei sobre este assunto desde que comecei a ver produtos com a informação "sem parabenos"! Gostei de conhecer o teu blog ;)*

    ResponderEliminar
  7. muito util o comentario,adorei, pois a pesquisa que faço no momento é sobre os riscos que eles podem trazer à sáude
    bjs...

    ResponderEliminar
  8. Muito util! Gostei de ler!

    http://hiimab.blogspot.com

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Obrigada por comentarem! ♥
Respostas aos comentários são dadas no próprio post. Fiquem atentas! :)

Mensagens populares

980x120 3